Cinemateca Portuguesa com ciclo sobre o medo em janeiro

A instituição vai entrar no ano de 2018 com um ciclo sobre as dimensões do medo, a exibir ao longo de janeiro.

De “Massacre no Texas” a “Psico”, de “Suspiria” a “Branca de Neve e os Sete Anões”, a Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, entra em 2018 com um ciclo dedicado às várias dimensões do medo, a exibir ao longo do primeiro mês do ano.

O ciclo é «sobre o cinema do medo, do grande quase abstrato medo que faz o espectador sentir-se sozinho, mesmo se a sala de cinema estiver cheia de gente», informa a instituição.

Com mais de 40 filmes selecionados, o ciclo abrirá a 3 de janeiro com “L’arrivée d’un train en gare de la ciotat”, um dos primeiros filmes dos irmãos Lumière – 50 segundos de um só plano, da chegada de um comboio a uma estação, e que terá causado a sensação de pânico no público, quando foi exibido em 1895, por causa do efeito de ilusão visual.

Para a mesma sessão de abertura será ainda exibido Psico (1960), um dos filmes em que Alfred Hitchcock, «‘o cineasta do medo’ por excelência, mais longe levou e mais radicalmente trabalhou o tema» do medo, salienta a Cinemateca.

“O Despertar dos Mortos Vivos” (1968), de George Romero; “Alien, o Oitavo Passageiro” (1979), de Ridley Scott; “Tubarão” (1975), de Steven Spielberg; ou “Shining” (1980), de Stanley Kubrick, são alguns de outros clássicos escolhidos para o ciclo – que inclui ainda um único filme português, a curta-metragem “A Caça” (1963), de Manoel de Oliveira.

A Cinemateca inclui ainda um único filme português, a curta-metragem “A Caça” (1963), uma “poderosa alegoria sobre o destino humano” assinada por Manoel de Oliveira, e “A Branca de Neve e os Sete Anões” (1937), primeira longa-metragem de animação da história do cinema, assinada por Walt Disney.

Deixe um comentário