monólogos

Monólogos de Dimítris Dimitriádis no D. Maria

‘Esquecer’ é um espetáculo a partir do texto do escritor grego Dimitris Dimitriádis ‘Oblívio e mais quatro monólogos’, que o Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), em Lisboa, estreou no sábado.

São cinco os monólogos que integram a peça ‘Esquecer’ e que vão ficar em cena, na Sala Estúdio do teatro, em Lisboa, até ao próximo dia 17, com cinco atores para cada um dos textos. Os nomes dos monólogos? ‘Derrota’, ‘Memória’, ‘Arrependimento’, ‘Arte’ e ‘Oblívio’.

Todos “falam como se lhes tivesse sido dada a palavra pela última vez (…), como se orador soubesse que cada palavra que pronunciasse, terminaria gradualmente a sua oportunidade de falar”, disse o autor, Dimitris Dimitriádis, sobre estes textos.

‘Oblívio’ foi escrito em 1997, numa residência de autores do Teatro Nacional da Grécia do Norte. A primeira montagem foi feita no ano seguinte, em Atenas, seguindo-se pouco depois o palco do Petit Odéon, em Paris. A versão integral, porém, nunca até agora foi levada a cena, segundo o TNDM.

A ensaísta grega Dimitra Kondiláki, que entrevistou Dimitriádis e escreveu sobre ele, para a revista Artistas Unidos, de julho de 2007, disse à agência Lusa entender que estes cinco monólogos dão corpo a “cinco seres que procuram a purificação, a retirada da dolorosa experiência do mundo, afirmando-se nela”.

“O que os liga – garantiu Kondiláki – é o anseio da afirmação, da aceitação, da reconciliação com o insuportável, o anseio da sua própria aniquilação, uma anulação, contudo, gloriosa e redentora”.

Os cinco monólogos também estão publicados nessa edição da revista Artistas Unidos, numa tradução de José António Costa Ideias, a mesma que serve de base à encenação do TNDM.

 

Deixe um comentário